Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos – PGRS de Empresa de Materiais de Construção

O Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos – PGRS de Empresa de Materiais de Construção foi elaborado de forma a apresentar as diretrizes para a implementação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) no empreendimento Nova Casa Atacadista, localizado no Pólo de Desenvolvimento JK, Trecho 05 Conjunto 03 Lotes 01 a 06, 15 e 16, Região Administrativa Santa Maria no Distrito Federal.

Para a conclusão do Curso de ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS oferecido pelo Portal Resíduos Sólidos, a aluna Cristiane Lopes Oliveira trabalhou em um projeto real de elaboração de PGRS na empresa citada conseguindo implementar soluções sustentáveis com total cumprimento da Política Nacional de Resíduos Sólidos brasileira (Lei 12.305/2010).

PGRS DE EMPRESA DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO

Curso de Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos no Portal Residuos SolidosA Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), estabelecida pela Lei nº 12.305, de agosto de 2010, que dispõe sobre os princípios, objetivos e instrumentos, além das diretrizes relativas à gestão integrada e ao gerenciamento de resíduos sólidos, aliada ao Decreto nº 7.404, de 23 de dezembro de 2010, que regulamenta a Lei nº 12.305, à Lei Distrital nº 5.610, de 16 de fevereiro de 2016, que dispõe sobre a responsabilidade dos grandes geradores de resíduos sólidos (não inertes e não perigosos) do Distrito Federal, além das normas estabelecidas pelos Órgãos do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA), do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS), do Sistema Unificado de Atenção à Sanidade Agropecuária (SUASA) e do Sistema Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (SINMETRO), são os norteadores para elaboração e execução deste Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS).

www.portalresiduossolidos.com

Lago Paranoá em Brasília (Fonte: Portal Resíduos Sólidos)

O Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos deve envolver, após a caracterização (classificação, quantificação) dos resíduos na fonte geradora, o manuseio, acondicionamento, armazenamento, coleta, transporte, reuso ou reciclagem, tratamento e disposição final adequados, de acordo com as características e classe de cada resíduo identificado. (SISTEMA FIRJAN, 2006)

Este documento estabelece os procedimentos necessários e as responsabilidades para a coleta, a segregação, a classificação, o armazenamento temporário na área da empresa, o transporte e a destinação final dos resíduos sólidos e visa atender às exigências das normativas supramencionadas.

Para elaboração deste Plano, foram realizadas análises quantitativas e qualitativas, constituídas por revisão de literatura, estudo de caso exploratório, análises de documentação da empresa, além de entrevistas com profissionais da organização. Com isso, foi possível entender a cultura e os procedimentos realizados pela empresa em relação à gestão dos resíduos sólidos.

MATERIAL E MÉTODOS

PROGRAMAS

Para implantação o Plano de Gestão de Resíduos Sólidos PGRS de Empresa de Materiais de Construção de forma ordenada e concatenada, propôs-se  cumprir, por meio de programas executivos, ações objetivas, a fim de facilitar ao cliente a execução de todas as atividades vinculadas ao PGRS.

Os Programas propostos foram os seguintes: Programa 01 – Estabelecimento do Comitê Gestor responsável pela implantação do PGRS; Programa 02 – Diagnóstico atual – classificação e quantificação dos resíduos sólidos; Programa 3 – Implantação de sistemas de segregação (triagem) e acondicionamento dos resíduos, conforme a tipologia; Programa 4 – Implantação de sistemas de coleta e armazenamento temporário (interno e externo) dos resíduos; Programa 05 – Implantação de sistemas de transporte, destinação final dos resíduos, tratamento, controle e monitoramento do PGRS; e Programa 06 – Capacitação da equipe da unidade quanto a nova gestão dos resíduos sólidos.

CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO

Tratando-se especificamente da filial situada em Santa Maria- DF, a mesma é classificada como um centro de distribuição generalista, ou seja, comercializa e distribui para diversos tipos de empreendimentos, geralmente de pequeno, médio e alguns de grande porte.

www.portalresiduossolidos.com

Caracterização da Empresa de Varejo de Materiais de Construção e seus resíduos

DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO ATUAL DOS RESÍDUOS

Para a determinação dos valores em peso e volume do resíduo produzido, se fez necessário a realização da atividade chamada “Caracterização Gravimétrica”. Conforme a ABNT 10.007/2004, seu conceito é descrito desta forma: “determinação dos constituintes e de suas respectivas percentagens em peso e volume, em uma amostra de resíduos sólidos, podendo ser físico, químico e biológico”. Segundo a COMLURB (2009) a caracterização dos resíduos sólidos é um instrumento essencial para a gestão completa dos RSU produzido em cada área.

www.portalresiduossolidos.com

Tabela 1: Gravimetria realizada no empreendimento

Curso para especialistas em resíduos sólidos

Cursos em resíduos sólidos no portal mais especializado do setor

O empreendimento possui um sistema efetivo de separação de resíduos. Os resíduos separados tratam-se dos recicláveis e reaproveitáveis, especificamente papel, plástico e pallets, excetuando-se os produzidos na área administrativa. Os resíduos sanitários são triados e destinados ao Sistema de Limpeza Urbana, visto que não são reaproveitáveis, reutilizáveis ou recicláveis.

www.portalresiduossolidos.com

Gráfico 1 – Volumes dos principais resíduos sólidos da empresa em porcentagem.

O empreendimento possui um sistema básico de armazenamento temporário dos resíduos produzidos, nas áreas produtivas servindo de área de transbordo.

Quanto aos resíduos orgânicos gerados na cozinha e no refeitório, assim como os resíduos domésticos gerados na área administrativa, os mesmos são triados, mantidos na câmara fria e destinados a doação (pequenos produtores que utilizam tais materiais para composto orgânico e lavagem).

As lâmpadas são descartadas em lixo comum, sem nenhuma forma de separação e destinação apropriada.

Os resíduos recicláveis, como papel, papelão e plástico produzidos pelas atividades realizadas no empreendimento. Estes são triados em suas áreas operacionais, considerando o pátio de armazenamento, área de carga e descarga, assim como o pátio de lavagem e a oficina de manutenção. Após isso, os mesmos são transportados até a área de armazenamento temporário pelos funcionários e posteriormente coletados pela empresa Terra Viva Recicláveis.

Quanto aos pallets, os mesmos são acondicionados em área externa, onde passarão por processo de triagem para reutilização para fins diversos, tais como produção de mobiliário, utilização em jardinagem e decoração externa em geral.

Percebe-se uma conscientização e capacitação geral dos ambientes operacionais, predominantemente por meio da rotina, lixeiras com cores específicas para cada tipo de resíduos, assim como placas e avisos de advertência. Muitos deles complementam os avisos ocupacionais nas áreas de produção. Os resíduos de Classe I, parte do IIA e IIB são enviados a um aterro sanitário pelo SLU.

CONCLUSÃO

A melhor forma de garantir uma boa gestão de resíduos é racionalizar seus processos e eliminar toda e qualquer forma de desperdício nas etapas e processos internos do estabelecimento através de um PGRS de Empresa de Materiais de Construção. Apesar do alto volume de resíduos gerados pelo varejo, grande parte deles pode ser destinada para a reciclagem ou recuperada por meio da compostagem para ser reaproveitada como adubo para a produção agrícola.

No vídeo abaixo, Cristiane Lopes Oliveira faz uma apresentacao completa sobre seu trabalho. Confira!


Oliveira, Cristiane Lopes. 2017.

Cristiane Oliveira, bióloga pela Universidade Católica de Brasília, mestre pela Universidade de Brasília, MBA em Gerenciamento de Projetos pela Fundação Getúlio Vargas e especialista em gerenciamento de resíduos sólidos. Diretora-Presidente da Aliquam Soluções em Meio Ambiente, empresa de gestão ambiental em Brasília.  Já atuou como Assessora, Gerente de Licenciamento Ambiental e Superintendente de Meio Ambiente na Valec – Engenharia, Construções e Ferrovias S.A, e como Coordenadora de Projetos Ambientais junto a algumas empresas de consultoria ambiental no Distrito Federal.  

Gostou? Clique no botão G+ e compartilhe nas redes sociais para indicar que deseja mais conteúdo relacionado com este tema.

About Gleysson B. Machado

Sou formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

Deixe seu comentário