Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais

Os Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais (PGRSI) representam a maior fatia dos empreendimentos onde o PGRS é obrigatório. Para consultores astutos pode ser uma excelente oportunidade de posicionar no mercado de maneira sólida mas, além disso, oferece um mercado ainda inexplorado por profissionais, o comércio de resíduos recicláveis ou reutilizáveis.

Praticamente todos os empreendimentos industriais são obrigados a elaborar um PGRS, já que a Lei só dispensaria os geradores de resíduos que produzem mais que uma determinada quantidade de resíduos por dia, definido por regulamentação municipal ou os geradores que produzem resíduos com semelhanças (em quantidade e tipo) com os resíduos domésticos.

Aliado a isso, milhares de empresas no Brasil destinam de forma incorreta seus resíduos causando impactos ambientais em todos os aspectos de gravidade, desde uma simples disposição irregular em vias públicas até mesmo o desastre da liberação de mais de 62 milhões de metros cúbicos de resíduos pela empresa Samarco na cidade de Mariana em Minas Gerais que praticamente “matou” o Rio Doce, que deu origem ao nome da empresa Vale, dona da Samarco, sendo até então, o maior acidente ambiental do Brasil.

Mariana (MG) – Famílias perdem suas casas no maior desastre ambiental causado pelo rompimento de duas barragens da mineradora Samarco no dia 05 de novembro de 2015. Em meio ao cenário de muita lama, barro e destruição, bombeiros fazem buscas atrás de vítimas (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Problemas entre indústrias e órgãos ambientais

Uma pesquisa feita com 1.007 pequenas e médias empresas e 211 grandes empresas em todo o território nacional demonstrada no site ambiente Brasil em conjunto com a Sondagem Industrial, mostra que os principais causas de problemas de relacionamento entre as indústrias e os órgãos ambientais são, segundo as próprias indústrias, os requisitos exagerados, o alto custo, a complexidade e alterações regulares da regulamentação ambiental, além da falta de cortesia ou comportamento “inadequado” da fiscalização conforme gráfico abaixo:

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais no Portal Resíduos Sólidos

Figura 1: Principais causas dos problemas de relacionamento enfrentados entre as industrias e os órgãos ambientais (Fonte: Site Ambiente Brasil)

Dessa forma, a capacidade do profissional em lidar com estes problemas é com certeza um diferencial muito forte no mercado.

O papel do profissional responsável pelo Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais

Os Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Industriais têm um papel fundamental na indicação da forma de como esses resíduos devem ser destinados. Em acordo com a Lei 12.305 por exemplo, todo e qualquer resíduo que possa ser reciclado deve ser encaminhado para as indústrias de reciclagem assim como todo o resíduo orgânico deve ser encaminhado para uma biodigestor ou usina de compostagem.

O curso de Elaboração de Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Portal Resíduos Sólidos é hoje o melhor curso do mercado voltado para este setor, criando oportunidade imediata para consultores qualificadosO problema é que muitas vezes não existe destinação ambientalmente adequada nas cidades e é justamente aqui que nasce um grande oportunidade para profissionais realmente qualificados e com visão de soluções implementadas em países de primeiro mundo. O profissional responsável pela elaboração de PGRS passa a ser uma figura central porque pode se reunir com o setor privado e fornecer informações vitais sobre os tipos e quantidade real de resíduos gerados em sua forma mais pura e com maior valor agregado, direto na fonte.

Depois de fazer o devido mapeamento do setor, o consultor poderá estender suas atividades e trabalhar também como um Corretor Ambiental, profissão reconhecida e regulamentada em países como a Alemanha por exemplo. A depender da verdadeira motivação deste profissional e de sua identificação de fato com o setor de resíduos este agente pode ser o fator de transformação que tanto o país precisa.

Como a Lei 12.305/2010 é baseada nas melhores experiências praticadas em países desenvolvidos, é interessante conhecer as soluções praticadas nestes países. A especialização diferenciada dos profissionais do ramo é sem dúvida o fator decisivo para o nascimento de cidades mais limpas e melhor qualidade do ar, com rios menos poluídos e práticas sustentáveis.

Referências:

  • Desastre em Mariana foi acidente ou crime? ‘É precipitado avaliar’, diz ministro – Mariana Schreiber – Site BBC – 11/11/2015
  • Acidente em Mariana é o maior da História com barragens de rejeitos – Ana Lúcia Azevedo – O GLOBO
  • A indústria e o meio ambiente – Site Ambiente Brasil (consultado no dia 29/08/2017)
Gostou? Clique no botão G+ e compartilhe nas redes sociais para indicar que deseja mais conteúdo relacionado com este tema.

About Gleysson B. Machado

Sou formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

Deixe seu comentário