Pontos de Disposição Irregular no Brasil

Mesmo com a promulgação da Política Nacional dos Resíduos Sólidos, a Lei Nº 12305/ 2010, muitos lixões continuam a existir na maioria dos município brasileiros.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente até 2014, apenas cerca de 33% dos municípios brasileiros afirmaram possuir aterro sanitário. Um dado ainda mais alarmante, é que em todas as regiões do país, até mesmo aqueles que possuem o aterro, apresentam pontos de disposição irregular de resíduos sólidos.

Um estudo realizado por Silva e Liporone (2009) – antes da publicação da política – apresentou a existência de pontos críticos de disposição irregular em Uberlândia/MG, indicados pela prefeitura, assim como pontos de recebimento de Resíduos Sólidos de Construção e Demolição criados pela prefeitura visando mitigar tal problemática. Conforme apresentado na figura 01.

Ribeiro e Dias (2013) desenvolveram pesquisa no mesmo município, revelando que a existência de pontos irregulares ainda é reincidente e que somente de janeiro a maio de 2013, a prefeitura teria coletado cerca de 93.384 toneladas em locais clandestinos.

Curso de Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos no Portal Residuos Solidos

Schmitt et al., (2015) identificou 30 pontos de disposição irregular de resíduos no município de Lages/SC, os locais abrangiam desde terrenos abandonados a áreas que deveriam ser mantidas como zonas verdes. A pesquisa alerta que ações conjuntas com o poder público e a população devem ser tomadas. É preocupante o fato de muitos, ainda que conhecedores dos riscos que tal disposição pode acarretar, não buscam o poder público ou contribuem para o agravamento da situação.

Figura 01: Pontos de disposição irregular e centrais de recebimento de resíduos em Uberlândia – MG.


Fonte: Silva e Liporone (2009).

O município de Juazeiro do Norte/CE sofre com essa problemática. Em tempos de crescimento, reformas e construções prediais, há grande geração de entulhos, que podem ser carreados para cursos hídricos, áreas de recargas de aquíferos, proximidade a habitações e tornam-se um atrativo para o lançamento de resíduos domésticos por parte da população.

O representante da Autarquia de Meio Ambiente, no início deste ano (2017), informou que ações para manutenção de tais pontos estão sendo tomadas. O município está dando seus primeiros passos para atender a política nacional.

De acordo com Pereira et al., (2014), em Manaus/AM, as empresas de construção civil ainda não obedecem a Resolução CONAMA 307/2002, apesar de possuírem os Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos de Construção Civil, visto que este é condicionante de licença ambiental. Há irregularidades no município quanto a disposição final destes materiais, acarretando a referida problemática dos pontos de acúmulo.

Os segredos do mercado de resíduos sólidos completamente revelados em um único curso.O município de Itajaí/SC possui 183.373 (IBGE, 2010) habitantes e possui potencial de atividade portuária, comércio e turismo. O município tem demonstrado compromisso com o meio ambiente, inclusive todo o estado possui o IDMS – Índice de Desenvolvimento Municipal Sustentável, que considera aspectos socioeconômicos, políticos e ambientais.

Itajaí possui PMGIRS (Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos), coleta seletiva com transporte diferenciado e aplica a taxa de resíduos sólidos pelos serviços de coleta pública. Apesar de todas estas características, em estudo que está sendo realizado pela empresa EnviTeSB, nota-se que nem tudo é cumprido à risca.

Um exemplo prático são exatamente os pontos de disposição irregular (Foto 01). Durante esse estudo, integrantes da equipe relataram e registraram um grande ponto de acúmulo no município. No local havia um caminhão coletando madeira e um transporte da Secretaria de Defesa Civil. No momento ocorria uma reportagem, onde divulgava-se um aplicativo para a população própria população identificar tais pontos, na tentativa de reduzir as chances de foco de mosquito Aedes aegypti.

Foto 01 – Gleysson Machado (Responsável Técnico da EnviTeSB) em ponto irregular de disposição de resíduos na cidade de Itajaí/SC

Fonte: EnviTeSB (2017)

A FUNASA alerta que alguns vetores utilizam os resíduos como abrigo, a mosca, por exemplo pode transmitir febre tifóide, cólera, amebíase, disenteria, giardíase, ascaridíase, intoxicações alimentares, conjuntivites, tracoma, lepra e difteria cutânea.

Um dos técnicos, responsável por esse estudo no município, ressalta a presença de materiais característicos de grandes geradores, como tecidos têxteis, borrachas e móveis (foto 02). Destaca ainda a importância da implantação de Usina de Triagem, neste caso, pois a partir disso haveria uma melhor separação deste material e maior aproveitamento dos materiais dispostos de forma irregular, facilitando o acesso aos interessados pelo material.
Foto 02 – Ponto de acúmulo no município de Itajaí com diversos tipos de resíduos


Fonte: EnviTeSB (2017)

COMO RESOLVER ?

Analisando a problemática, propõe-se sugestões para mitigar o problema:

1 – Não Geração (Minimizar o resíduo ainda na fonte geradora);
2 – Mapear pontos críticos;
3 – Criar Pontos de Entrega Voluntárias de resíduos;
4 – Investir em Destinação adequada de Resíduos de Construção e Demolição ;
5 – Responsabilizar e fiscalizar os Grandes Geradores, dando-lhes alternativas de destinação correta, se possível dentro do próprio município ou na região do mesmo;
6 – Educar a População e Informá-la dos dias de Coleta do Bairro, de preferência que haja a coleta seletiva;
7 – Recuperar áreas abandonadas, atribuindo-lhe utilidade pública ou responsabilizando o proprietário, quando particular;
8 – Investir em Centrais de Triagem;
9 – Assegurar a coleta de resíduos para os domicílios;
10 – Desenvolver trabalho de organização das atividades com os carroceiros, inserindo-os na regularização dos serviços de Resíduos de Construção e Demolição municipal.

PENALIZAÇÕES

De acordo com Silva Junior (2011), os infratores podem ser penalizados pelos artigos 132 e 132 do Código Penal Brasileiro, que tratam do Crime de Perigo para vida ou saúde de outrem e da Infração de medida sanitária preventiva, respectivamente.

“Art. 132 – Expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente: Pena – detenção, de três meses a um ano, se o fato não constitui crime mais grave.
Art. 268 – Infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa: Pena – detenção, de um mês a um ano, e multa”.

De acordo com Lei Nº 9.605/1998,

Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora:
Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa.
§ 1º Se o crime é culposo:
Pena – detenção, de seis meses a um ano, e multa.
§ 2º Se o crime:
I – tornar uma área, urbana ou rural, imprópria para a ocupação humana;
II – causar poluição atmosférica que provoque a retirada, ainda que momentânea, dos habitantes das áreas afetadas, ou que cause danos diretos à saúde da população;
III – causar poluição hídrica que torne necessária a interrupção do abastecimento público de água de uma comunidade;
IV – dificultar ou impedir o uso público das praias;
V – ocorrer por lançamento de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, ou detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou regulamentos:
Pena – reclusão, de um a cinco anos.
§ 3º Incorre nas mesmas penas previstas no parágrafo anterior quem deixar de adotar, quando assim o exigir a autoridade competente, medidas de precaução em caso de risco de dano ambiental grave ou irreversível.”

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BRASIL. Lei Nº 9605 de 1998: Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de Lei de Crimes ambientais, Condutas e Atividades lesivas ao Meio Ambiente, 1998.

FUNASA. Resíduos sólidos e a saúde da comunidade: informações técnicas sobre a interrelação saúde, meio ambiente e resíduos sólidos /Fundação Nacional de Saúde. – Brasília: Funasa, 2013.

MMA. Política de Resíduos Sólidos apresenta resultados em 4 anos. Ministério do Meio Ambiente. Por Rafaela Ribeiro.
SILVA JUNIOR, J.M A Aspectos jurídicos da disposição irregular de resíduos sólidos e impactos à saúde. Jus.com.br, 2011.

PEREIRA, N.D; NOGUEIRA, J.C.C; GUIMARÃES, M.G.V; SOUZA, W.A.R; GONÇALVES, C.A.A situação dos resíduos sólidos oriundos da construção civil vertical na cidade de Manaus. Revista T & C Amazônia, 2014.

RIBEIRO, F.A.B; DIAS, J.F. Deposição Irregular dos Resíduos de Construção Civil em Uberlândia – MG. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades. 2013, pág 88 – 106.

SCHMITT, J.P.S; STIEGLEER, L.M; VALGOI, D.R; POLHEIM, T.S; SIMIONI; J. Depósitos Clandestinos de Lixo em Área Urbana de Lages – SC. VI Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Porto Alegre/ RS, 2015.

SILVA, C.B. LIPORONE, F. DEPOSIÇÃO IRREGULAR DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMÉSTICOS EM UBERL NDIA: Algumas considerações . OBSERVATORIUM: Revista Eletrônica de Geografia, v.2, n.6, p.22-35, abr. 2011.

Gostou? Clique no botão G+ e compartilhe nas redes sociais para indicar que deseja mais conteúdo relacionado com este tema.

About Letícia Lacerda Freire

Técnica em Meio Ambiente, pelo Instituto Centro de Ensino Tecnológico - CENTEC, cursa Bacharelado em Engenharia Ambiental, no Instituto Federal do Ceará (IFCE- Campus Juazeiro do Norte), com experiência em Resíduos Sólidos e em análises físico-químicas e microbiológicas de águas e efluentes.

Deixe seu comentário