Projeto Básico para empreendimentos no setor resíduos sólidos

A gestão de um projeto deve obedecer os critérios impostos pelos órgãos onde se faça necessário apresentá-lo como em licitações públicas, instituições de financiamento ou mesmo para a iniciativa privada. O Projeto Básico para empreendimentos no setor resíduos sólidos possui diversas particularidades em função por exemplo da tecnologia empregada e da periculosidade dos resíduos a serem tratados.

Aprenda a ter um negócio de sucesso com resíduos no Portal Resíduos SólidosNo Brasil, as maiores exigências relativas a formatos de projetos são feitas pelo poder público. A Lei Federal 8.666/1993 institui normas para licitações e contratos da Administração Pública definindo sequencias do projeto e conceitos utilizados pelo setor. Essa lei define a sequencia do projeto em seu Art. 7° como mostrado abaixo:

Lei 8.666 Art. 7º – As licitações para a execução de obras e para a prestação de serviços obedecerão ao disposto neste artigo e, em particular, à seguinte sequencia:

  1. Projeto básico;
  2. Projeto executivo;
  3. Execução das obras e serviços.

§ 1º A execução de cada etapa será obrigatoriamente precedida da conclusão e aprovação, pela autoridade competente, dos trabalhos relativos às etapas anteriores, à exceção do projeto executivo, o qual poderá ser desenvolvido concomitantemente com a execução das obras e serviços, desde que também autorizado pela administração pública.

§ 2º As obras e os serviços somente poderão ser licitados quando:

  1. Houver projeto básico aprovado pela autoridade competente e disponível para exame dos interessados em participar do processo licitatório;
  2. Existir orçamento detalhado em planilhas que expressem a composição de todos os seus custos unitários;
  3. Houver previsão de recursos orçamentários que assegurem o pagamento das obrigações decorrentes de obras ou serviços a serem executadas no exercício financeiro em curso, de acordo com o respectivo cronograma;
  4. O produto dela esperado estiver contemplado nas metas estabelecidas no Plano Plurianual de que trata o art. 165 da Constituição Federal, quando for o caso.

O Licenciamento Ambiental é exigido para a grande maioria dos projetos no setor de resíduos. A figura abaixo, mostra de forma resumida as fases do projeto seguindo as exigências das Leis de Licitações e Licenciamento Ambiental.

O Projeto Básico

O Projeto Básico exigido pela Lei nº 8666/93, é definido no inciso IX, do art. 6°da seguinte forma:

Projeto Básico – conjunto de elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequado, para caracterizar a obra ou serviço, ou complexo de obras ou serviços objeto da licitação, elaborado com base nas indicações dos estudos técnicos preliminares, que assegurem a viabilidade técnica e o adequado tratamento do impacto ambiental do empreendimento, e que possibilite a avaliação do custo da obra e a definição dos métodos e do prazo de execução, devendo conter os seguintes elementos:

  • a) desenvolvimento da solução escolhida de forma a fornecer visão global da obra e identificar todos os seus elementos constitutivos com clareza;
  • b) soluções técnicas globais e localizadas, suficientemente detalhadas, de forma a minimizar a necessidade de reformulação ou de variantes durante as fases de elaboração do projeto executivo e de realização das obras e montagem;
  • c) identificação dos tipos de serviços a executar e de materiais e equipamentos a incorporar à obra, bem como suas especificações que assegurem os melhores resultados para o empreendimento, sem frustrar o caráter competitivo para a sua execução;
  • d) informações que possibilitem o estudo e a dedução de métodos construtivos, instalações provisórias e condições organizacionais para a obra, sem frustrar o caráter competitivo para a sua execução;
  • e) subsídios para montagem do plano de licitação e gestão da obra, compreendendo a sua programação, a estratégia de suprimentos, as normas de fiscalização e outros dados necessários em cada caso;
  • f) orçamento detalhado do custo global da obra, fundamentado em quantitativos de serviços e fornecimentos propriamente avaliados.

O projeto básico de uma obra pública é formado no mínimo pelos seguintes elementos:

1) Projetos

Contendo o Projeto Arquitetônico e outros projetos exigidos em função de suas peculiaridades. A partir do Projeto Arquitetônico nascem os demais projetos chamados de complementares como o Projeto hidráulico, sanitário, elétrico, entre outros.

Participe do WORKSHOP GRATUITO e entende de fato, como transformar lixo em dinheiro

2) memorial descritivo com as especificações técnicas (caderno de encargos);

O memorial descritivo de procedimentos estabelece as condições técnicas mínimas a serem obedecidas na execução das obras e serviços citados, fixando os parâmetros mínimos a serem atendidos para materiais, serviços e equipamentos, e constituirá parte integrante dos contratos de obras e serviços.

3) orçamento;

O orçamento deve seguir as exigências de formatação local, seja dos órgãos ambientais, prefeituras ou mesmo do setor privado.

4) cronograma físico-financeiro.

O objetivo do cronograma físico-financeiro é apresentar os desembolsos no decorrer do tempo de execução proposto pelo projeto. O cronograma deve prever o tempo total para execução da obra, inclusive com a contagem dos dias sem produção e dessa forma determina a velocidade em que a obra será construída. Tendo em vista que custos com funcionários, inclusive com horários de trabalho influenciam no valor total da obra, o cronograma físico-financeiro assume um papel de extrema relevância dentro do contexto do Plano Básico.

No vídeo abaixo, você pode assistir à uma palestra de abertura do Seminário “Projeto Básico e Projeto Executivo nas Contratações Públicas”, realizado na Escola Superior de Gestão e Contas Públicas Conselheiro Eurípedes Sales do Tribunal de Contas do Município de São Paulo. A palestra contou com apresentação de José Roberto Bernasconi, presidente da seção regional de São Paulo do Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva (Sinaenco). Realizado em 15 de agosto de 2013, o Seminário reuniu especialistas, autoridades e servidores da Corte para discutir os entendimentos sobre contratantes e contratados da Administração Pública a respeito questões que envolvam o projeto básico e o projeto executivo. A discussão se deu com base na Lei Federal nº 8.666/93 — Licitações e Contratos da Administração Pública, na Lei Federal nº 12.462/11 — Regime Diferenciado de Contratações Públicas e na Resolução nº 361 de 10/12/91 — Conceituação de Projeto Básico do Conselho Federal de Arquitetura e Agronomia — Confea.

A integração das exigências da Lei de Licitações com a de Licenciamento Ambiental é apresentada na figura abaixo de uma forma um pouco mais específica:

O Portal Resíduos Sólidos oferece serviço de consultoria para a elaboração de Planos Básicos que obedecem os critérios mais rigorosos da Administração Pública, Instituições Financiadoras e adaptações para o setor privado. Entre em contato para receber uma proposta.

Gostou? Clique no botão G+ e compartilhe nas redes sociais para indicar que deseja mais conteúdo relacionado com este tema.

About Gleysson B. Machado

Sou formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

Deixe seu comentário