Remediação de lixões

Como deve ser feita a Remediação de lixões? Quais são os pontos fundamentais deste processo? Quais as recomendações para o controle dos lixiviados, dos gases e das águas superficiais e de caráter social?

O lixão é a forma inadequada de dispor os resíduos sólidos urbanos sobre o solo, sem nenhuma impermeabilização, sem sistema de drenagem de lixiviados e de gases e sem cobertura diária do lixo, causando impactos à saúde pública e ao meio ambiente. É comum encontrar nos lixões vetores de doenças e outros animais. Nesses locais também é freqüente a presença de pessoas excluídas socioeconomicamente, inclusive idosos e crianças, trabalhando como catadores, em condições precárias e insalubres.

Figura 01: A remediação dos lixões é o primeiro passo para a implementação de soluções em resíduos sólidos

Essas áreas devem ser remediadas (No Brasil é necessário o requerimento de licenciamento ambiental – CONAMA 308/02) e fechadas para propiciar segurança à população do entorno, melhoria da qualidade do solos e das águas superficiais e subterrâneas, e minimização dos riscos à saúde pública, garantindo harmonia entre o meio ambiente e a população local.

O curso de Elaboração de Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos do Portal Resíduos Sólidos é hoje o melhor curso do mercado voltado para este setor, criando oportunidade imediata para consultores qualificadosMuitas vezes os lixões são construídos em áreas completamente inadequadas; em alguns casos, porém, apesar de a disposição dos resíduos ser feita sem o emprego de critérios técnicos de engenharia, as áreas apresentam boas características para a implantação de um aterro sanitário. Nessas situações, pode-se avaliar a possibilidade de aproveitamento do local para a construção do aterro sanitário, desde que se promova antes um programa de recuperação ambiental do lixão e de seu entorno. Tal procedimento é indicado por razões econômico financeiras – já que há grande dificuldade de encontrar áreas adequadas disponíveis nos municípios –, mas, principalmente, por razões ambientais. Assim, quando o município está implantando um sistema de gestão integrada de resíduos sólidos e tem um lixão como forma de disposição final, a primeira coisa a ser feita é traçar uma estratégia de procedimento com as seguintes alternativas:

  • Remediar e fechar o lixão;
  • Recuperar a área do lixão seguindo bases sanitárias e ambientais adequadas e implementação de um aterro sanitário no local, de modo que continue recebendo os resíduos do município;
  • Implantar um novo aterro sanitário em outra área; essa alternativa deve ser feita em conjunto com a primeira.

O encerramento das atividades de um lixão deve ser precedida de um projeto de recuperação ambiental da área, incluindo uma investigação geoambiental do lixão e da sua área de influência, com monitoramento da qualidade do ar, das águas superficiais e subterrâneas, durante o tempo que durar o processo de liberação de gases e/ou de chorume.

Ações corretivas para as áreas degradadas por lixões

As ações corretivas para as áreas degradadas por lixões que encerraram as atividades de vazadouros de resíduos são descritas a seguir:

Curso para especialistas em resíduos sólidos

Cursos em resíduos sólidos no portal mais especializado do setor

Recomendações gerais

  • delimitação da área, que deve ser cercada completamente para impedir a entrada de animais e pessoas;
  • realização de sondagens para definir a espessura da camada de lixo ao longo da área degradada;
  • limpeza da área de domínio;
  • movimentação e conformação da massa de lixo: os taludes devem ficar com declividade de 1:3 (V:H);
  • cobertura final dos resíduos expostos com uma camada de solo argiloso de 0,50 m de espessura e uma camada de solo vegetal de 0,60 m de espessura sobre a camada de argila;
  • promoção do plantio de espécies nativas de raízes curtas, preferencialmente gramíneas.

O curso sobre Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos oferecido pelo Portal Resíduos Sólidos é hoje referência no mercado, por ter o melhor conteúdo pelo melhor preço.Recomendações para o controle dos lixiviados, dos gases e das águas superficiais

  • construção de valetas para a drenagem superficial ao pé dos taludes em toda a área;
  • execução de um ou mais poços verticais para a drenagem de gases;
  • aproveitamento dos furos de sondagens e implantação de poços de monitoramento (sendo no mínimo dois a montante do lixão recuperado e dois a jusante);
  • instalação de poços a montante e a jusante do lixão para averiguação da qualidade da água;
  • monitoramento das águas superficiais.

Recomendações de caráter social

  • promoção do cadastramento dos catadores, de forma a conhecer o perfil de cada um;
  • estudo e implantação de alternativas de emprego e renda para os catadores, retirando-os da frente de trabalho irregular e insalubre.

Tanto para aterros sanitários como para antigos lixões, deve-se considerar a possibilidade de captação do biogás para queima em flares e/ou aproveitamento energético, para que sejam vendidos como créditos de carbono através do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo.

No vídeo abaixo, um debate muito rico sobre a situação dos lixões a céu aberto é o tema do Cenas do Brasil promovido pela TV NBR

Fonte: Redução de emissões na disposição final / Ana Ghislane Henriques Pereira van Elk. Coordenação de Karin. Segala – Rio de Janeiro: IBAM, 2007.

Gostou? Clique no botão G+ e compartilhe nas redes sociais para indicar que deseja mais conteúdo relacionado com este tema.

About Gleysson B. Machado

Sou formado em Dip. Ing. Verfahrenstechnik (Eng. Química) pela Universidade de Ciências Aplicadas de Frankfurt/M na Alemanha com especialização e experiência em Tecnologias para geração de Energia e Engenharia Ambiental. Larga experiência em Resíduos Sólidos com foco em Biodigestores Anaeróbios

Deixe seu comentário